O Sipro-NG (Sindicato dos Professores de Novo Gama) realizou nesta manhã de terça-feira (11), assembléia com paralisação em frente a prefeitura da cidade. Após assembléia, os professores decidiram entrar em greve.

Em agosto do ano passado, professores realizaram passeata durante greve. (Foto: reprodução)

Em agosto do ano passado, professores realizaram passeata durante greve. (Foto: reprodução)

A principal reivindicação dos professores, é o retorno da jornada ampliada que foi retirada no inicio de março. Porém, eles ainda reivindicam pelo cumprimento do acordo firmado pelo prefeito Everaldo Vidal na última greve, em setembro do ano passado. Onde a prefeitura pagaria os vales transporte, plano de saúde, o piso salarial e reformaria o plano de carreira.

Segundo informou Francisco, presidente do sindicato, com o fim da jornada os alunos e professores foram prejudicados. Francisco explicou que durante uma semana, os alunos tem 5 horas a menos de aula e perdem o reforço. Já os professores, que possuem carga horária de 40 horas, passaram a ter turmas nos dois períodos, o que tirou o tempo para coordenar. Ainda de acordo com o sindicato, os professores recém convocados, com carga horária de 20 horas, estavam trabalhando 40 horas e recebia a mais por isso. Agora, com o fim da jornada ampliada, passaram a trabalhar 20 horas e tiveram os salários reduzidos pela metade.

O L1 NEWS tentou contato com a Secretaria de Educação, porém, não obteve sucesso.

ENQUETE

[poll id=”17″]